A História do Dia do Trabalho

O Dia Mundial do Trabalho, como o nome já diz, é uma data que é celebrada em muitos países do mundo. Alguns países como EUA e Austrália celebram o Dia do Trabalho em outras datas, mas uma coisa é inegável: o mundo inteiro celebra o Dia do Trabalho.

Toda mudança feita na base da nossa sociedade gera incômodo e nunca acontece de forma completamente pacífica. As pessoas precisam lutar por seus direitos, fazendo com que o governo crie leis que assegurem o cumprimento desses direitos.

Muita coisa aconteceu para que nós tivéssemos os direitos trabalhistas que temos hoje. Nossos antepassados tinham condições de trabalho sub-humanas e lutaram para conseguir melhores condições de trabalho.

Você verá, neste texto, um pouco mais sobre o dia do trabalho, como surgiu, por que se tornou um marco para a busca do direitos e reivindicações da classe trabalhista e como esse dia se tornou o que é hoje, celebrado em diversos países do mundo.

A origem do dia do trabalho

Trabalhadores nas ruas de Chicago, nos Estados Unidos, se unem em manifestação, para uma série de reivindicações, dentre elas a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias.

A campanha tem início no dia 1º de maio de 1886, data em que muitas empresas iniciavam o ano contábil, os contratos de trabalho com os funcionários terminavam e os mesmos buscavam outros empregos.

Os eventos seguintes ao início da paralisação tiveram grande repercussão no cenário geral, resultando na morte de três trabalhadores após um confronto com forças de segurança, ocasionando uma nova manifestação. No dia seguinte, em protesto, um novo confronto tem origem, onde uma bomba feriu letalmente um policial e eventos seguintes ocasionaram a morte de mais sete agentes.

No primeiro dia de maio de 1891 mais uma manifestação, dessa vez na França, sofre com atos de violência, resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo ato reforçou o ideal e significado da data.

Alguns meses depois, em Paris, a Internacional Socialista de Bruxelas, em homenagem a manifestação ocorrida em Chicago, decide convocar anualmente uma manifestação, com a intenção de lutar pelos direitos da classe trabalhista e proclama o dia internacional de reivindicação de condições laborais.

A data escolhida foi o dia 1º de maio. Essa data se tornaria um marco para a classe assalariada, representando um dia de luta e conquista para trabalhadores do mundo inteiro.

Finalmente no dia 23 de abril de 1919, a jornada de 8 horas foi ratificada pelo senado francês, proclamando o primeiro dia de maio feriado. Em 1920 a então União Soviética também adota a data como feriado nacional, sendo seguida por alguns países.

O dia do trabalho no Brasil

No Brasil, as primeiras manifestações desse caráter começaram em 1891, organizadas por militantes socialistas, como apoio, de certa forma, à recém instaurada república no país.

Os protestos eram organizados por trabalhadores locais das grandes cidades com maior influência no meio. Nesses eventos os trabalhadores realizam discursos expondo suas reivindicações e exaltando a classe, realizavam passeatas e apresentações, com o intuito de chamar atenção para o movimento

O ideal ganhou força através de imigrantes europeus e pelo movimento operário impulsionados pelos ideais socialistas e anarco sindicalistas. Em 1917, na cidade de São Paulo, esses grupos resolveram parar de trabalhar para reivindicar melhores condições de trabalho, em uma paralisação conhecida hoje como A Greve Geral de 1917.

A greve durou 30 dias, repercutindo em diversos estados brasileiros. Dentre as exigências dos grevistas estavam: o absoluto direito de associação para os trabalhadores, a abolição de fato da exploração do trabalho de menores de 14 anos, aumento salarial, a instituição de uma data para o pagamento e um limite para atraso, a garantia de trabalho permanente, jornada de oito horas e semana inglesa além do aumento de 50% em todo trabalho extraordinário.

Essa paralisação reconheceu o movimento operário como instância legítima, obrigando os patrões a considerá-los em suas decisões.

Em 1925 o então presidente da república Arthur Bernardes declara o dia 1º de maio como feriado nacional no Brasil.

O Governo Vargas

Apesar dos diversos protestos e da luta popular em busca dos direitos trabalhistas que de, certa forma, tangenciavam o governo, o mesmo passou a utilizar a data como forma de ganhar a amizade do trabalhadores.

Com sua forte propaganda trabalhista, o governo de Getúlio Vargas transformou o primeiro dia do mês de maio, antes visto com uma data de protestos, reivindicações e críticas às estruturas sócio-econômicas do país, em uma comemoração, com festas populares, desfiles e ações sociais.

Além das principais medidas de benefício ao trabalhador passarem a ser anunciadas nesta data, como o aumento anual do salário mínimo dentre outras ou a criação da Justiça do Trabalho em 1º de maio de 1941, com o objetivo de resolver as questões judiciais relacionadas ao trabalho e aos direitos dos trabalhadores em geral.

”Nas horas de glória e de triunfo, assim como nas de sofrimento e de perseguições, os trabalhadores foram sempre fiéis, desinteressados e valorosos. E posso repetir hoje, de coração, o que mais de uma vez proclamei: os trabalhadores nunca me decepcionaram. Nunca se aproximaram de mim para pleitear interesses particulares ou favores pessoais. Pleitearam sempre para a coletividade a que pertencem, pelo reconhecimento dos seus direitos, pela melhoria das suas condições de vida, pelas reivindicações da classe e pelo bem-estar dos seus semelhantes.” Getúlio Vargas, no dia 1º de Maio de 1951

Outro marco do dia do trabalhador é a criação da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), no dia primeiro de maio de 1943, também por Getúlio Vargas. Hoje a CLT é a principal referência para legislação trabalhista no Brasil sendo incorporada à Constituição de 1988.  Para saber um pouquinho mais sobre o que a CLT e o dia do trabalho têm em comum acesse nosso artigo sobre (O dia do trabalho e a CLT).

No Brasil a data celebra toda a classe trabalhadora e seus esforços para construir um país melhor e lutar por melhores condições de trabalho e de vida. O 1° de maio segue como feriado no Brasil. Nesse dia, diversos órgãos se organizam para oferecer uma programação para a classe trabalhadora e celebrar a data.

Para Finalizar

Você viu até aqui um pouquinho de história, para entender como e por que esse dia passou a ser considerado um marco para todos os trabalhadores.

Além disso, viu também como a data passa ser importante para a apresentação de novos benefícios a classe e como a luta pelos direitos do coletivo tem força para a transformação.

A data é mais que um feriado, para muitos representa o poder do coletivo, a junção da força trabalhista em busca de um ideal comum e a luta constante por mais direitos e melhores condições de trabalho.

Gostou do texto? Compartilhe com alguém que você acha que também deveria ler!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *